Ebook – Crônicas de Nárnia: Príncipe Caspian

25 05 2009

c-s-lewis-as-cronicas-de-narnia-vol-iv-principe-caspianSinopse: Surgem mpos problemáticos e Nárnia é assolada pela guerra civil. O príncipe Caspian é forçado a soprar o Grande Chifre em busca de auxílio, e os grandes heróis do passado Pedro, Susana, Edmundo e Lúcia vêm em seu socorro. Juntos, eles precisam vencer o rei Miraz e trazer a paz novamente à Nárnia.  

Comentário:  Quarto livro cronólogico da coleção de Lewis, e segundo livro a receber uma versão cinematográfica.

                                                                                                     download_doc download_pdf   

 

   

Anúncios




A encomenda

23 09 2007

    –Pela estrada a fora, eu vou bem sozinha, levar esse lápis para o Panaquinha..
Assim seguia Catifúndia, cantando e saltitando em direção a mesa do Panaca. Mas como sabemos, sair de uma mesa à outra quando se é uma borracha é bem complicado e nada fácil. Então Catifúndia que não é boba nem nada,pensou: ” Já que há precipício enorme, vou levar umas cordas para fazer rapel”.
E foi o que fez. Junto com a encomenda levou consigo a corda para que pudesse descer e e depois subir aquele enorme precipício.
Depois de quase um minuto inteiro de caminhada até o precipício, se deparou com um grave problema. A corda que havia levado era muito pequena para fazer rapel, e não teria como chegar ao fim daquele precipício.
Nisso viu que Rogerr estava do outro lado daquele buraco. Então gritou:
–Rogerrrr! O que você está fazendo aí?
– Eu estou de folga e resolvi passear pela mesa!
– Tenho uma encomenda para o Panaca!, mas não tenho como levá-la aí! O que eu faço agora?
– Ahh isso é o de menos..espera aí que eu já dou um jeito.
Nessa hora Rogerr saiu em disparada. Lá onde foi, pegou duas réguas e as juntou com muita fita adesiva(durepox comum mesmo) e sei lá como levou as réguas até o precipício de novo.
–Cati!! Usa isso como ponte para poder vir até aqui!
E lá foi Catifúndia, toda feliz e alegre, porque agora poderia atravessar o precipício e levar a encomenda. Do outra lado olho bem nos olhos de Rogerr e perguntou-lhe:
–Nossa que bakanão! Como sabia que ia dar certo?
– É porque tentar fazer rapel seria burrice…
E começo a se irritar…
–Nossa que inteligentão! Por que acha isso?
– É porque o Panaca falou pra eu fazer isso da outra vez..
Não agüentou e disse:
– Nossa! Que grosso! Sai da minha frente, que eu preciso entregar esse lápis..( nessa hora deu um supapo que Rogerr ficou caído no chão)
Assim, o lápis foi entregue. Rogerr continuou boiando sem saber por que Catifúndia falou-lhe aquelas delicadas palavras. E para restituir o seu ego, Catifúndia arranjou umas cordas e voltou de rapel mesmo..
Depois de um tempo do outro lado..olhou pra cara do Rogerr e disse:
– Tómaaaa! Panaca é mãe…
Mas Rogerr não se ofendeu..ele não tem mãe mesmo..